Qual a relação da saúde bucal com a qualidade de vida

Dificilmente costumamos associar saúde bucal e qualidade de vida como sendo fatores co-dependentes que afetam tanto o bem-estar geral do organismo, quanto à saúde mental e a capacidade de interação social.

No entanto, sendo uma das principais vias de acesso a todo o corpo, a integridade das estruturas bucais é fundamental para a manutenção de uma boa saúde. 

Ao mesmo tempo, ela tem um forte potencial de interferir na autoestima, confiança pessoal e nos relacionamentos dos indivíduos.

Esses problemas são capazes de afetar os pacientes de todas as faixas-etárias, podendo ser constituídos com o tempo e em decorrência dos maus cuidados com a higienização oral ou, até mesmo, por herança genética.

Assim, para garantir o bem-estar geral e uma boa qualidade de vida, é essencial compreender mais sobre como a sua saúde bucal pode estar impedindo a construção de uma vida mais ativa, confiante e produtiva.

Odontologia e saúde

Muitas pessoas ainda acreditam que o cuidado com a saúde dos dentes está relacionado a uma finalidade puramente estética.

Contudo, ainda que este possa de fato ser um objetivo almejado por alguns pacientes, o cuidado com os dentes é elementar para a manutenção da saúde de todo o organismo.

Isso porque, a ação bacteriana é ainda a maior fonte da perda dentária no Brasil, fazendo com que mais de 39 milhões de pessoas tenham que recorrer a diversos métodos de reposição dental para recuperar a funcionalidade da mastigação e da fala.

Ao contrário da crença popular, a utilização de acessórios odontológicos, como o implante dentário ou as próteses simples, é tão recorrente em pacientes jovens quanto em idosos. Sendo que, de acordo com o IBGE, cerca de 1/5 desses pacientes têm entre 25 e 44 anos.

Mas, esses microrganismos bucais não agem apenas danificando os dentes. Estudos realizados pelo Instituto do Coração (InCor) indicam que, ao menos, 45% das incidências de doenças cardíacas são provocadas por bactérias dentárias.

Isso se dá porque esses agentes infecciosos causam inflamações nos tecidos gengivais que, quando não cuidados devidamente, se infiltram nos vasos sanguíneos da região e espalham por todo o corpo, criando colônias em diferentes órgãos.

Além dessas condições, as doenças bucais também podem causar:

  • Problemas no sistema respiratório;
  • Aumento da incidência de pneumonias;
  • Doenças gastrointestinais;
  • Surgimento de doenças degenerativas;
  • Indução do parto prematuro, entre outros.

Odontologia e qualidade de vida

Não são apenas as bactérias que impactam fortemente a vida dos pacientes. Os problemas estruturais, que precisam de correção por meio do uso do aparelho ortodôntico também provocam resultados consideráveis no emocional das pessoas.

Os defeitos de formação dental – como o apinhamento, o diastema ou o encaixe inadequado da mordida – além de poder provocar problemas com a saúde geral do paciente, causam desconfortos e interferem no sorriso, nos relacionamentos e na qualidade de vida.

Inclusive, este é um dos motivos pelo qual a procura por tratamentos estéticos odontológicos, como a lente de contato dental, tem crescido tanto entre os pacientes de todo o país. 

Para se ter uma ideia do impacto deste segmento, segundo a Sociedade Brasileira de Odontologia e Estética (SBOE), esse mercado cresceu 300% em apenas 3 anos.

Cuidados necessários durante os tratamentos

Assim, é fácil notar como o cuidado com a integridade e aparência dos dentes possui uma influência importante nos relacionamentos de trabalho, nas interações sociais, na incidência de diversas patologias sistêmicas e até na garantia de uma boa nutrição.

Por isso, a realização de tratamentos e procedimentos odontológicos é crucial para a manutenção de uma saúde bucal mais positiva e para possibilitar o bem-estar geral do paciente. No entanto, essa atenção não pode parar no consultório.

Aqui estão algumas formas de cuidar da saúde bucal durante e após os tratamentos odontológicos:

  1. Atente-se com a higiene

A escovação dos dentes, do aparelho movel e das próteses dentárias é absolutamente fundamental para controlar a reprodução das bactérias bucais e impedir a formação do filme biológico e do tártaro.

Por isso, essa limpeza deve ser feita três vezes ao dia, sendo seguida pelo uso do fio dental e do enxaguante bucal. 

Lembre-se de não higienizar nenhum acessório odontológico com produtos que contenham álcool ou com escovar rígidas.  

  1. Atenção com a alimentação

A ingestão exagerada de açúcares aumenta a produção – pelos organismos orais –, de ácidos corrosivos que não somente causam cáries e sensibilidade dental, mas também originam as inflamações gengivais e as periodontais.

Além disso, o consumo de refrigerantes, cafés, chocolates e outros alimentos ricos em carboidratos e corantes (naturais ou não), mancham os dentes e causam o escurecimento/amarelamento dos dentes, comprometendo a cor natural e o clareamento dental.

  1. Respeite a constância dos retornos        

A recomendação geral é de que todos os pacientes façam uma consulta com um dentista, ao menos uma vez a cada seis meses. Essas visitas são necessárias para a realização da limpeza profissional e a aplicação do flúor.

O dentista também poderá realizar uma avaliação detalhada de toda a cavidade bucal em busca de anomalias. 

Assim, fica mais fácil a realização do tratamento precoce e da prevenção de condições mais graves.Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 8 =